Apenas três apresentações de 13 a 15 de novembro no Teatro João Caetano dentro da programação do Theatro Municipal do Rio de Janeiro

Coreografia e direção geral de Angelin Preljocaj, com música de Gustav Mahler e Figurinos de Jean-Paul Gaultier

A nova criação de Angelin Preljocaj para a companhia que leva seu nome, estreou em setembro de 2008 na Bienal da Dança de Lyon, inspirada no conto de fadas Branca de Neve, dos Irmãos Grimm. Blanche Neige é um grande ballet, romântico e contemporâneo, em que 26 bailarinos dançam o mais belos trechos das músicas de Gustav Mahler, com figurinos de Jean Paul Gaultier e cenografia de Thierry Leproust. O espetáculo que faz parte do Ano da França no Brasil, em parceria com o Governo do Estado, a Secretaria de Cultura e o Theatro Municipal, será apresentado nos dias 13, 14 e 15 de novembro.
Embora esteja com seu palco principal temporariamente fechado para obras, o Theatro Municipal do Rio de Janeiro tem mantido sua programação e temporada artistica em 2009 através de parcerias feitas com outros espaços culturais na cidade, no interior do estado e em outras capitais brasileiras, embora esteja com seu palco principal temporariamente fechado para obras. Em um ano foram realizados cerca de 70 espetáculos, entre concertos da Orquestra e do Coro e apresentações do Ballet.
Esta é a segunda vez em que a Cia. Preljocaj se apresenta no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A anterior foi em 1996 como atração convidada da temporada oficial com o programa Hommage aux Ballets Russes - Parade, Le Spectre da La Rose e Noces, criações do Preljocaj em homenagem ao legado do Ballets Russes.
Dois anos depois, em julho de 98, o Ballet do Theatro Municipal apresentou o programa chamado Século XX que reunia coreografias de Oscar Araiz (Magnificat), Luis Arrieta (Tempo de Tango), Serge Lifar (Suite en Blanc) e Larmes Blanches que Angelin Preljocaj criara em 1985 para sua própria companhia.


A BRANCA DE NEVE DE PRELJOCAJ
“Eu tinha um grande desejo de contar uma história, oferecendo algo mágico e encantado. Sem dúvida buscando evitar o rotineiro. E também porque, como todos, eu adoro histórias. Segui a versão dos Irmãos Grimm com apenas algumas variações, baseadas nas minhas interpretações dos símbolos do conto. Bettelheim descreve o conto Branca de Neve como um édipo reverso. A madastra é sem dúvida a personagem central do conto. Por meio dela examinei a sua determinação narcisista de não desistir da sedução e de seu papel como mulher, ainda que isso signifique sacrificar sua enteada. A compreensão dos signos pertence aos adultos assim como às crianças: é para todos; e é por isso que eu gosto dos contos de fadas”, diz Preljocaj.
Angelin Preljocaj, coreógrafo francês de ascendência albanesa, criou a "Compagnie Preljocaj“, em 1984, estabelecendo sua sede no norte da França. Em 1989, a companhia é distinguida com o status de Centro Coreográfico Nacional de Champigny-sur-Marne e du Val de Marne. É o início de uma longa aventura.
Rapidamente, o trabalho de Preljocaj e de sua companhia atraem os iniciados e o mundo da dança. Fala-se muito de suas coreografias e o grande público também o descobre com inacreditável rapidez.
Sem dúvida é com Romeu e Julieta, em 1990, que seu trabalho alcança maior repercussão: sua releitura do balé emociona e o sucesso marca a feliz colaboração entre o coreógrafo e a estética de Enki Bilal desenhista e roteirista, fetiche do desenho animado francês, de renome internacional, que assina os cenários do espetáculo.
Em 1996, a Companhia deixa o norte da França e instala-se no sul, em Aix-en-Provence. Artísticamente, adota a denominação de "Ballet Prejlocaj".
Preljocaj criou Blanche Neige, um balé popular, um romântico moderno, de linguagem contemporânea - uma dança fluída, um rigor e uma energia nos movimentos que subjugam. Um conto de fadas com a bela música de Mahler, figurinos de Jean Paul Gaultier, cenários bem resolvidos e um excelente elenco. Um espetáculo grandioso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.