Benito Barreto receberá prêmio na Academia Brasileira de Letras na próxima sexta
A tetralogia Saga do Caminho Novo, do escritor mineiro Benito Barreto, receberá o prêmio “João Felício dos Santos”, concedido pela diretoria da União Brasileira de Escritores, seção Rio de Janeiro (UBE-RJ), como melhor romance histórico do ano. A solenidade de premiação será realizada na próxima sexta-feira, 22 de outubro, às 14h, no Teatro R. Magalhães Jr., na Academia Brasileira de Letras, no Rio de Janeiro.


A OBRA
Saga do Caminho Novo recria ficcionalmente a derrocada da Conjuração Mineira de 1789. Os personagens da Inconfidência ganham vida na reconstrução do autor, que aliou liberdade criativa a extensa pesquisa e amplo conhecimento do tema para criar sua versão dos acontecimentos históricos. Barreto buscou recriar não só a participação de todos os inconfidentes, mas também de personagens que se esconderam nos interstícios da História oficial.
O primeiro volume da série, Os idos de maio (2009) narra o momento crítico no qual se desfaz a conspiração na rede de delações e prisões que se estende pelo Caminho Novo. Em Bardos e viúvas (2010), o autor retoma a trajetória dos personagens, mostrando o terror que se seguiu às delações e prisões. O terceiro livro da série, já em fase de ilustração e montagem, será lançado em abril de 2011. A saga se completará, com seu quarto e último volume, em 2012.

O PRÊMIO
A UBE-RJ foi fundada em 1958, mesmo ano de criação da união em âmbito nacional, e concede prêmios para obras literárias de destaque desde então. A premiação, atualmente, é anual e ocorre sempre no mês de outubro. Os nomes dos prêmios homenageiam escritores brasileiros e são renovados ano a ano. João Felício dos Santos nasceu em Mendes (RJ), em 1911, e foi um precursor da ficção histórica no Brasil. Publicou mais de 20 livros, como Ganga Zumba, Major Calabar e Ataíde, Azul e Vermelho.
Na edição 2010, a diretoria da entidade concederá 13 prêmios na categoria nacional e dois na categoria internacional. A comissão julgadora foi formada por Margarida Finkel, Luiz Gondim de Araújo Lins e Stella Leonardos. Na mesma ocasião, serão contemplados os vencedores do Concurso Internacional de Literatura UBE-RJ 2010, nas categorias romance, contos, poesia, infanto-juvenil, crônicas, ensaio e teatro

O AUTOR
Benito Barreto nasceu em 17 de abril de 1929 na cidade de Dores de Guanhães, Nordeste de Minas. Além de escritor, é também jornalista e empresário. Em sua obra literária, destaca-se a tetralogia Os Guaianãs, formada pelos livros Plataforma vazia (1962), Capela dos homens (1968), Mutirão para matar (1974) e Cafaia (1975). A série é uma referência importante da prosa regional brasileira e narra uma heróica história de resistência, tendo como tema principal uma guerrilha rural hipotética nos sertões baianos e mineiros durante as décadas de 1960 e 70. É uma saga moderna, de cunho essencialmente épico, que mostra a fertilidade imaginativa e o vigor estilístico do autor.
Barreto publicou ainda Vagagem (1978), que se apresenta como um livro de “viagens e memórias sem importância”; A última barricada (1993), romance em folhetins improvisados, que reúne colunas publicadas no jornal Estado de Minas e anotações inéditas, em que ainda ressoam temas e personagens de Os Guaianãs; e Um caso de fidelidade (2000), que reflete as incertezas do mundo globalizado e pós-ideológico que se sucede à derrocada do socialismo.

INFORMAÇÕES E AGENDAMENTO DE ENTREVISTA:
Rachel Barreto (31) 8804-4105 / rachelbarreto@globo.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.