Na próxima quarta-feira, dia 19 de junho às 19h, a Academia Brasileira de Poesia – Casa de Raul de Leoni realiza mais uma palestra gratuita, dentro do ciclo proposto para 2013.
Dessa vez quem proferirá a mesma é o escritor e professor Ataualpa Pereira Filho, membro titular da ABP e presidente da Academia Petropolitana de Educação. O tema: Poesia Marginal.
Mas o que seria Poesia Marginal? Por que alguns poetas foram chamados de malditos? Por que a poesia de uma geração foi rotulada de marginal? Quem imortaliza um poeta? Qual a dimensão da Poesia?
Essas indagações serão discutidas no dia 19, na Casa de Cláudio de Souza, localizada na Praça da Liberdade 274.
Charles Baudelaire, Paul Verlaine, Athur Rimbuad, Stephane Malarmé, Gregório de Matos são alguns autores que foram considerados malditos, mas que hoje são reconhecidos internacionalmente.
No Brasil, o termo Poesia Marginal ficou mais ligado à década de 70, à chamada Geração Mimeógrafo, formada por um grupo de poetas que, diante de um período de censura prévia, passou a imprimir seus poemas em mimeógrafos, confeccionando assim seus livros de forma artesanal. E passou a vendê-los em bares, em fila de teatros e cinemas.
Além da divulgação e venda, os poetas se reuniam para declamar os seus poemas em recitais realizados em praças, bares, praias, em atitudes performáticas que  conciliavam teatro, música e poesia. Muitos de poetas que atuaram nesse período, hoje têm seus trabalhos reconhecidos. Dentre esses destacam-se Paulo Leminski, Chacal, Fernando Alvim, Cacaso, Torquato Neto, Waly Salomão, Leila Miccolis, Ana Cristina Cesar, Zuca Sardan. Esse último, na Feira Literária Internacional de Paraty (FLIP), lançará o livro “Ximerix”, pela editora Cosac Naif, em julho. É válido mencionar que Zuca Sardan é heterônimo do senhor Carlos Felipe Alves Saldanha, que hoje vive em Hamburgo. Começou a trabalhar no Ministério das Relações Exteriores em 1963. Exerceu o cargo de diplomata nos seguintes países: Argélia, República Dominicana, Estados Unidos, União Soviética, Holanda e Alemanha...
 Aqui em Petrópolis podemos destacar o trabalho do saudoso poeta Demétrio Gomes, que ao lado de Tavinho Paes e Torquato de Mendonça criaram o grupo Poema-Terror em 1976.
E por uma questão didática, esse trabalho teve como ponto de partida a antologia poética organizada por Heloisa Buarque de Hollanda que reuniu, em um livro, 26 poetas que, de alguma forma, estiveram envolvidos com esse movimento que denominou de poesia marginal. No entanto, a proposta desse encontro é também discutir o conceito de poesia a partir de todos os segmentos, desde a criação, passando pelo processo editorial, distribuição, venda e da assimilação da poesia pelos fieis leitores.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.