Indicada ao Prêmio Shell de Melhor Atriz de 2010 para Gláucia Rodrigues

Sábado, dia 07 de setembro, a partir das 21h e domingo, dia 08 de setembro, às 19h a Xdaquestão Produções realiza a comédia O Santo e a Porca, de Ariano Suassura, no Theatro D Pedro, à Praça dos Expedicionários, s/nº, Centro – Petrópolis/ RJ
Montada pela primeira vez em 1958 pela Cia de Cacilda Becker, a deliciosa comédia O Santo e a Porca ganhou nova montagem através da Cia. Limite 151. No elenco estão Élcio Romar, Gláucia Rodrigues, Daniel Dalcin, Nilvan Santos, Janaina Prado e Jacqueline Brandão. A direção é de João Fonseca.
Escrita por Ariano Suassuna em 1957, O Santo e a Porca aborda o tema da avareza. O texto, segundo o próprio Suassuna, “é uma imitação nordestina” da peça Aululária, também conhecida como a Comédia da Panela, do escritor romano Plauto. A peça relata o casamento da filha de um avarento, sendo que o "santo" do título é Santo Antonio e a "porca" é um cofrinho, símbolo do acúmulo de dinheiro e tão protetor quanto o santo.
A avareza doentia de Euricão (Elcio Romar) vai deixá-lo pobre e solitário, como ele se dizia ser e vivia para evitar os fantasmagóricos “ladrões” que o assediavam. Caroba (Gláucia Rodrigues) criada de Euricão, para se casar com Pinhão (Nilvan Santos), que trabalha para o milionário Eudoro (Luiz Machado), arquiteta um mirabolante, audacioso, confuso e hilário plano. Todos se deixam envolver tendo de um lado os “oprimidos” de todas as espécies e, de outro, os supostos opressores Euricão e Eudoro.
A comédia O Santo e a Porca não foge à regra dos espetáculos de Ariano Suassuna, onde a simplicidade do trabalho permeia toda ação dramática. O cenário recria um ambiente do interior nordestino. A cultura nordestina é amplamente valorizada através de personagens que trazem consigo a marca de um povo sofrido, porém alegre.
Intrinsecamente ligado ao espetáculo teatral popular brasileiro, O Santo e a Porca é profundamente cômico, festivo, mágico e malicioso. A encenação busca instaurar um ambiente de encantamento, onde os contrastes entre a riqueza e a pobreza saltam aos olhos.
Depois de dirigir Gota D’Água, de Chico Buarque e Paulo Pontes e A Falecida, de Nélson Rodrigues, o diretor João Fonseca encara o desafio de mais um clássico, desta vez de um autor nordestino. “É um prazer dirigir textos brasileiros. Ainda mais porque em todos esses trabalhos o foco é no oprimido. O Santo e a Porca tem um olhar sobre o sertão, os grandes coronéis. Suassuna enxerga a capacidade de transmutar do pobre sertanejo, a capacidade de sobreviver. A necessidade de sobreviver faz com a vida lhes dê uma inteligência grande para isso”, conta o diretor.
Os ingressos já estão à venda no Cinemaxx, Mercado Estação, Rua Paulo Barbosa, 296, Centro, Di Farina, Rua Treze de Maio, 184, Centro, Theatro D Pedro, Praça dos Expedicionários, s/nº, Centro e Top Cine, Hipershopping ABC, Rua Teresa, 1515, Alto da Serra – Petrópolis/ RJ.
A inteira custa R$40,00 (quarenta reais), a meia entrada sai por R$20,00 (vinte reais), destinada a estudantes, idosos, deficientes físicos, menores de 21 anos, Professores e clientes dos apoiadores com filipeta carimbada, no site Petrópolis Desconto (www.petropolisdesconto.com.br) por R$18,90 (dezoito reais e noventa centavos) e através do selo Amigo da Cultura por apenas R$15,00 (quinze reais), para compras antecipadas a partir de 5 ingressos.
Mais informações podem ser obtidas através dos telefones (24) 2231-9707 e (24) 8101-4558, no e-mail contato@xdaquestaoproducoes.com.br ou na Fanpage da Xdaquestão Produções https://www.facebook.com/XdaquestaoProducoes.

O AUTOR
Ariano Vilar Suassuna é advogado, professor, teatrólogo, romancista, poeta, ensaísta, defensor incansável da cultura popular do Brasil e do nordeste. Nasceu em João Pessoa - Paraíba em 16 de junho de 1927, filho de João Urbano Pessoa de Vasconcelos Suassuna e Rita de Cássia Dantas Villar. Quando tinha três anos de idade, seu pai foi assassinado no Rio de Janeiro, por causa de lutas políticas. Depois do trágico episódio, sua mãe mudou-se para Taperoá, com os nove filhos, onde Ariano Suassuna fez os estudos primários.
A infância vivida no sertão familiarizou o futuro grande escritor e dramaturgo com os temas e as formas de expressão artística que viriam mais tarde a constituir, como ele próprio o denomina, seu "mundo mítico". Não só as estórias e casos narrados e cantados em prosa e verso foram aproveitados como suporte na plasmação de suas peças, poemas e romances. Também as próprias formas da narrativa oral e da poesia sertaneja foram assimiladas e reelaboradas por Suassuna. Suas primeiras produções caracterizavam-se pelo domínio dos ritmos e metros da poética nordestina. Em 1942, então com 15 anos, foi para o Recife, estudar no Colégio Americano Batista. Pouco tempo depois começou a escrever para o TEP (Teatro dos Estudantes de Pernambuco), que era coordenado por Hermilo Borba Filho. Dentro do TEP foi criado um palco itinerante chamado "Barraca", que era inspirado no "La Barraca" grupo criado pelo poeta Garcia Lorca.
Em 1946 Ariano ingressou na Faculdade de Direito do Recife. Depois de formado, exerceu a advocacia até 1956, quando abandonou a profissão para tornar-se professor de Estética na Universidade de Pernambuco. Em 1959, com Hermilo Borba Filho, fundou o Teatro Popular do Nordeste. No início da década de 1970 fundou "O Movimento Armorial". Deste movimento saíram nomes como Antônio Nóbrega e Antônio José Madureira.
Suas primeiras peças foram Uma mulher vestida de sol (1947), Cantam as harpas de Sião (1948) e Os homens de barro (1949). Desde o início de seu trabalho, Suassuna demonstrou clara inspiração popular combinada à convicção cristã, o que o levou a recuperar o auto religioso medieval em peças como o Auto de João da Cruz (1950) e O arco desolado (1952). Tornou-se conhecido do público, no entanto, com os trabalhos da segunda fase. Obteve êxito nacional em 1955 com o Auto da compadecida (1955), peça na qual houve influência do dramaturgo português Gil Vicente e da tradição folclórica portuguesa.
Em outra abordagem dessas influências, Suassuna escreveu O santo e a porca (1957) e O casamento suspeitoso (1957). Utilizou elementos próprios do teatro de marionetes, tais como máscaras e a mecanização dos movimentos, em A pena e a lei (1959), premiada no Festival Latino-Americano de Teatro. Em 1960 fundou o Teatro Popular do Nordeste, onde apresentou A farsa da boa preguiça (1960) e A caseira e a Catarina (1962).
Suassuna interrompeu sua carreira de dramaturgo no final da década de 1960 para dedicar-se à prosa de ficção e ao papel de animador cultural no movimento Armorial, que pregava o resgate das formas de expressão populares tradicionais. O escritor transferiu a temática de sua dramaturgia para as obras Romance da pedra do reino e O príncipe do sangue do vai-e-volta (1971) e a História do rei degolado nas caatingas do sertão ao sol da onça caetana (1976). Suassuna também escreveu poesia e crítica de arte. Em 1989 foi eleito para a Academia Brasileira de Letras. Em agosto de 1989, foi eleito por aclamação para a Academia Brasileira de Letras, tomando posse em maio de 1990.

SERVIÇO
O SANTO E A PORCA
Sábado, 07/09/2013, 21h
Domingo, 08/09/2013, 19h
Theatro D. Pedro
Praça dos Expedicionários s/nº
Centro – Petrópolis/ RJ
Classificação: Livre

Elenco:
Daniel Dalcin – Dodó
Élcio Romar – Euricão
Gláucia Rodrigues – Caroba
Jacqueline Brandão  – Benona
Janaína Prado – Margarida
Luiz Machado – Eudoro Vicente
Nilvan Santos – Pinhão

Texto: Ariano Suassuna
Direção: João Fonseca
Cenário: Nello Marrese
Música original e direção musical: Wagner Campos
Figurinos: Ney Madeira
Luz: Rogério Wiltgen
Produção Executiva: Valéria Meirelles
Direção de Produção: Edmundo Lippi
                 
Ingressos
Inteira: R$40,00 (quarenta reais)
Meia entrada: R$20,00 (vinte reais)
Petrópolis Desconto: R$18,90 (dezoito reais e noventa centavos)
Amigo da Cultura*: R$15,00 (quinze reais)

* O Amigo da Cultura é o valor especial e promocional para aquisição de lote com pelo menos 5 (cinco) ingressos e só será vendido até a véspera do evento.

Vídeo

PONTO DE VENDA
Cinemaxx
Mercado Estação
Rua Paulo Barbosa, 296
Centro – Petrópolis/ RJ

Di Farina
Rua Treze de Maio, 184
Centro – Petrópolis/RJ

Theatro D Pedro
Praça dos Expedicionários, s/nº
Centro – Petrópolis/ RJ

Top Cine
Hipershopping ABC
Rua Teresa, 1515
Alto da Serra – Petrópolis/ RJ

PRODUÇÃO LOCAL

Xdaquestão Produções

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.