Coral da E.M. Bataillard sob a regência de A. Caroline Alves. (Divulgação)

Verdadeira revolução no Ensino Fundamental, o Programa Canta Petrópolis é inédito no país e funciona já com 36 corais em escolas públicas da cidade, tendo o Dó Ré Mi como Coro Modelo. A mostra de final de ano dos coros será no início de dezembro, em local a ser divulgado. A grande notícia é que, a partir de 2016 o programa ingressa também nas 10 escolas de Educação Integral, ampliando os benefícios para quase 2 mil alunos.
“O Canta Petrópolis vem abraçar a Educação Integral e prova que tudo é possível quando há bons fundamentos, mostrando o resultado da boa aplicação do dinheiro público. Estamos satisfeitos com o empenho do governo municipal que, apesar da crise, somou forças conosco no intuito de dar continuidade ao programa, que é o maior da categoria no país. Aos poucos vamos ampliando até chegar a todas as unidades!” – sentencia o maestro Leonardo Randolfo, coordenador do programa.
O prefeito Rubens Bomtempo mostra-se empolgado com o programa: “O Dó Ré Mi simboliza tudo o que buscamos com o Canta Petrópolis. Ele é resultado de um esforço que comprova como o acesso à arte e à cultura pode, de fato, mudar a vida das pessoas. É um trabalho que contribui de forma decisiva para a formação de cidadãos conscientes e responsáveis e que, sem dúvida, serve de inspiração para todos, em especial para alunos da rede municipal de ensino, que o têm como espelho” – concretiza.
O II Congresso de Educação Integral realizado recentemente pela Secretaria de Educação, teve como enfoque a questão cultural como potencial educador. O tema fez com que corais do Canta Petrópolis fossem convidados a participar e a coordenadora de Educação Integral do município, Adriana Salim, fez coro com o maestro: “Queremos incluir a música no currículo escolar, pois ela trabalha várias áreas do cérebro. Por isso a ideia é ampliar o Canta Petrópolis para todas as escolas”. 

O PROGRAMA
O Programa Canta Petrópolis tem como Coro Modelo o Dó Ré Mi, formado por 43 alunos da Escola S. Judas Tadeu, sob a regência do maestro Randolfo. A novidade de 2015 foi levar às demais escolas o repertório do Dó Ré Mi, que é um grupo mais adiantado, com o objetivo de dar a mesma identidade aos outros corais, na busca de firmar o padrão de qualidade Canta Petrópolis. O trabalho funciona através da parceria do Segmento de Canto Coral com o poder público. Fazem parte seis regentes gerentes, que são Antônio Gastão, Geilson Cruz, João Macedo, Marcelo Vizani, Paulo Afonso Filho e Rodrigo D`Ávila. Eles escolhem entre seus alunos, regentes aprendizes que multiplicam a metodologia nas escolas. Os ensaios acontecem semanalmente, fora do horário de aula, quando as crianças têm a oportunidade única de experimentar o poder integrador da música. O aluno deve apresentar boa freqüência, disciplina e bom comportamento na escola. Os benefícios são inúmeros, desde o aumento da concentração à melhoria geral nos estudos, potencializando também a sensibilidade.

A equipe vem trabalhando intensamente já que o número de corais é muito grande. O repertório vai desde o folclore até as músicas natalinas, passando pela MPB, com mais de 20 canções trabalhadas. A Thema Soluções Artísticas realiza o programa, desenvolvido há dois anos em parceria com a Prefeitura, através da Secretaria de Educação e da Fundação de Cultura e Turismo. O programa tem sido alvo do apoio e da grande admiração de artistas como Bibi Ferreira, Danilo Caymmi, Leila Pinheiro, Mafalda Minnozzi e outros, que se apaixonaram por este movimento e já se apresentaram não só com o Dó Ré Mi, mas também com os demais coros.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.