segunda-feira, 21 de julho de 2014

EXPOSIÇÃO A REPÚBLICA DO FUTEBOL É PRORROGADA ATÉ 26 DE JULHO


Essencialmente democrático na sua concepção, o Futebol chegou ao Brasil praticamente junto com a República, em fins do século XIX. Considera-se a data oficial o ano de 1894, trazido por Charles Miller, durante o governo de Prudente de Moraes. Mas foi Rodrigues Alves o primeiro presidente a assistir a uma partida de futebol em um estádio, em 16 de julho de 1905, nas Laranjeiras, em um jogo entre Fluminense e o Clube Atlético Paulistano. A histórica relação entre o futebol e os presidentes do Brasil pode ser conferida na exposição A República do Futebol, em cartaz no Palácio Rio Negro, em Petrópolis, prorrogada até o dia 26 de julho.
Quem visita a exposição fica sabendo, por exemplo, que o primeiro amistoso entre equipes estrangeiras aconteceu em 31 de julho de 1906, entre a Seleção Paulista e a delegação Sul-Africana (South Africa F.C.), com a presença do presidente Afonso Pena. Entusiasmado com a partida, ele ofereceu a “Taça Brasil” ao vencedor do 1º Campeonato Brasileiro de Futebol, disputado pelas seleções paulista e carioca em 1907. Os paulistas ganharam, mas a taça nunca foi entregue.
“Escolhemos o Palácio Rio Negro para abrigar esta exposição pelo fato de ser o maior ícone da República Brasileira em Petrópolis”, diz Magaly Cabral, diretora do Palácio. A exposição marca também o início das obras para requalificação da infraestrutura elétrica do Palácio, da iluminação da fachada e da antiga casa de geradores, que abrigará uma central elétrica e de segurança. “O Palácio sofre com a degradação temporal de seus cento e vinte e cinco anos, principalmente quando se trata da infraestrutura elétrica. Com esta requalificação, contribuímos para a preservação deste importante patrimônio histórico e cultural de nosso país, restaurando-o e divulgando-o para que possa receber cada vez mais visitantes e desempenhar seu papel residência de verão da Presidência da República”, afirma o Administrador-Responsável do Palácio Rio Negro Aluysio Azevedo.
A exposição é uma das ações de divulgação do projeto de Requalificação da Infraestrutura Elétrica do Palácio Rio Negro, que conta com o patrocínio da Petrobras. A realização é do Museu da República, Ministério da Cultura (MinC), Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e do Instituto Cultural Cidade Viva.
Sobre o Palácio Rio Negro: Além de um museu dedicado à República em terras imperiais, o Palácio é também a residência oficial de verão dos Presidentes da República.Construído em 1889 pelo Barão do Rio Negro, próspero comerciante de café do Estado do Rio de Janeiro que em 1894 rumou a Paris, o Palácio serviu de residência oficial do governo de Floriano Peixoto entre 1896 e 1903, quando o governo fluminense transferiu temporariamente sua capital para Petrópolis, evitando as constantes conturbações da Revolta da Armada, na capital da província do Rio de Janeiro.
A partir de 1903 o Palácio Rio Negro passou a pertencer ao Governo Federal, sendo transformado em residência de verão oficial dos Presidentes da República.Desde então, recebeu Rodrigues Alves, Afonso Pena, Nilo Peçanha, Hermes da Fonseca, Wenceslau Braz, Epitácio Pessoa, Artur Bernardes, Washington Luiz e Getúlio Vargas,este último considerado o mais assíduo, lá estando em todos os verões durante os dezoito anos em que governou o país. Também passaram pelo Palácio Café Filho, Eurico Gaspar Dutra, Juscelino Kubitscheck, João Goulart e Arthur da Costa e Silva.
A presença republicana na cidade de Petrópolis manteve-se viva até a fundação de Brasília. Entre as décadas de 70 e 80, o Palácio não recebeu nenhum presidente. Seu uso foi retomado no governo de Fernando Henrique Cardoso, para breves férias na década de 90. Luiz Inácio Lula da Silva hospedou-se por lá em setembro de 2008.

SERVIÇO:
Exposição A República do Futebol
Data: 17 de junho a 26 de julho
Local: Palácio Rio Negro: Avenida Koeler, 255 - Centro - Petrópolis
Tels: 24-2246-2423 e 2246-2378.
Aberto de terça a sábado, de 10h às 17h. Fecha aos domingos e segundas.
Entrada Franca


sexta-feira, 18 de julho de 2014

PROGRAMAÇÃO 14º FESTIVAL DE INVERNO DE PETRÓPOLIS 18 A 27 DE JULHO DE 2014


PROGRAMAÇÃO SUJEITA A
ALTERAÇÃO SEM AVISO PRÉVIO

18 de julho, sexta-feira
20h – Catedral São Pedro de Alcântara
Abertura de Gala: Romantismo em Cena
Orquestra Sinfônica Mariuccia Iacovino com Coro e solistas Orquestrando a Vida
Maestro: Luis Mauricio Carneiro
Solistas: Daniel Soren (Baixo - barítono), Danielle Bragazzi (Soprano), Juan Gorrín (tenor)

19 de julho, sábado
10h às 13h – Palácio de Cristal
Programação para família
Oficinas Stop Motion e Oficina de Som Reciclado

18h - Museu Imperial
Sala de Exposições Temporárias
“Concerto à Luz de Velas”
Cristina Braga, harpa
Ricardo Amado, violino
Ricardo Medeiros, contrabaixo
Programa: consagrados temas de Ópera e Ballet

20h30m - Theatro D. Pedro
Clássicos do Tango com o grupo Harmonitango
Jose Staneck, gaita
Ricardo Santoro, violoncelo
Sheila Zagury, piano

20 de julho, domingo
11h - Praça da liberdade
“O Festival vai à Praça”
Tema: Brasil e Sua Diversidade Cultural
Evento em parceria com a Secretaria Municipal de Educação
Apresentações artísticas de alunos de escolas municipais de Petrópolis

13h às 15h – Praça da Liberdade
Mágico Nathan

22 de julho, terça
17h - Solar do Império
"Uma Tarde Francesa"
Com o Chansonnier Pascal Maurice
O Realejo das Ruas de Paris
Canções Populares Francesas

23 de julho, quarta
12h - Cine Teatro
“Concertos ao Meio–Dia” - Concertos Franceses
Pianistas Patrick Rodrigues e André Kacowicz
Versão Orquestral – Flávio Augusto
Programa: Ravel e Saint Saens nº 2

15h - Cine Teatro
Cinema Mudo com piano ao vivo
Homenagem a Charles Chaplin – 100 anos do 1º. filme
Filme: Em Busca do Ouro, Comédia (69 min) Ano: 1925
Direção Charles Chaplin
Pianista: Paulo José Campos de Melo
Premiado no Festival de Berlim

21h – Espaço de Artes Miguel Salles
Standarts da época de ouro da música americana – Cole Porter e Gershwin
Trio Mariano
Mariano de Almeida – voz
André Mendes – piano
Felipe Depolli - contrabaixo

24 de julho, quinta
12h - Cine Teatro
“Concertos ao Meio–Dia” - Concertos Românticos
Pianistas Silas Barbosa e João Elias
Versão Orquestral – Flávio Augusto
Programa: Chopin nº 1 e Lizst nº 1

15h - Cine Teatro
Homenagem a Charles Chaplin – 100 anos
Cinema Mudo com piano ao vivo
Filme: O Circo, Comédia (69 minutos) Ano 1928
Direção: Charles Chaplin
Pianista: Paulo José Campos de Melo
Premiado no festival de Berlim

17h – Solar do Império
Chá Musical
Trio Amici (Venezuela/Cuba)
Andrés Perillo, tenor
Luis Jimenez, tenor
Andrés Roig, piano
Programa: Aquarela do Amor

20h – Palácio de Cristal
“Cristal Jazz”
Duo Fênix
Claudio Dauelsberg, teclado
Délia Fisher, teclado
Jazz, MPB e recursos eletrônicos

Abertura: Joãozinho do Cavaco e família

25 de julho, sexta
12h - Cine Teatro
“Concertos ao Meio–Dia” - Concertos Românticos
Pianistas Patrícia Glatzl e Ligia Moreno
Versão Orquestral – Flávio Augusto
Programa: Rachmaninoff nº2 e Grieg

15h – Cine Teatro
Exibição do documentário: “Com respeito aos Oito Baixos” (40min)
Após a exibição, debate com Léo Rugero (diretor)

18h - Museu Imperial
Sala de Exposições Temporárias
“Concerto à Luz de Velas”
Quarteto A Priori
Marco Catto, violino /Priscila Rato, violino
Karolin Broosch, viola/ Pablo de Sá, violoncelo
Programa: Obras de Grieg, Schoenberg e Aleksandra Vrebalov

20h– Palácio de Cristal – Cristal Jazz
New Tide Orquesta (Suécia)
Abertura: Banda LummeN

6 de julho, sábado
10h às 13h – Palácio de Cristal
Oficinas Stop Motion e Oficina de som reciclado
18h - Museu Imperial
Sala de Exposições Temporárias
“Concerto à Luz de Velas”
Angelica De La Riva, soprano
Katia Balloussier, piano
Programa: Homenagem aos 150 anos de nascimento de Richard Strauss com obras também de Handel, Brahms e Franz Lehar

20h – Quitandinha
Atração internacional Kataklo Atletic Dance Theater (Itália)
Evento de transição entre os dois Festivais de Inverno Sesc / Dellarte
27 de julho, domingo
10h às 13h – Palácio de Cristal
Programação para família
Oficinas Stop Motion e Oficina de som reciclado

15h – Centro Cultural Raul de Leoni
Mostra de Curtas realizados por deficientes visuais

17h – Palácio de Cristal
Cenas principais da ópera “LA BOHÈME”, de Puccini.
Cantores:
Marianna Lima, soprano / Michele Menezes, soprano
Ivan Jorgensen, tenor / Ciro d’Araújo, barítono
Mateus Araujo, pianista
Direção: Lauro Gomes

20h – Palácio de Cristal
Encerramento do 14. Festival de Inverno de Petrópolis
“A Festa dos Oito Baixos”
Com Zé Calixto e Rio Araripi

14 º FESTIVAL DE INVERNO DE PETRÓPOLIS/DELL’ARTE COMEÇA NESTA SEXTA

Orquestra Sinfônica Jovem Mariuccia Iacovino

Entre os dias 18 e 27 de julho realiza-se mais uma edição de um dos mais esperados festivais de inverno do Brasil. Neste período, a Dell’Arte Soluções Culturais - pioneira na implantação de festivais no Estado do Rio de Janeiro - promove em Petrópolis um verdadeiro mergulho na música clássica, com mais de 20 eventos, trazendo ainda shows, oficinas infantis, ópera e corais, além de jovens e promissores talentos.
A presidente da Dell’Arte, Myrian Dauelsberg, ressalta o diferencial em 2014: « A programação deste ano foi organizada com enfase no canto lírico. Vários concertos apresentarão trechos célebres de óperas e uma homenagem especial a Richard Strauss. » Myrian destaca a relevante função do festival que inclui Petrópolis no trajeto de importantes artistas acostumados a se apresentar nas grandes metrópoles e em outros países.
O Festival ocupará, no centro histórico da cidade, locais como a Catedral São Pedro de Alcântara, Museu Imperial, Palácio de Cristal, Theatro D. Pedro, Hotel Solar do Império, Praça da Liberdade e, pela primeira vez apresentando shows, o Espaço de Artes Miguel Salles, em Itaipava. Presenças de atrações nacionais e internacionais garantem 10 dias de entretenimento do mais alto nível.
A Abertura de Gala do Festival será na sexta-feira, dia 18 às 20h, na Catedral São Pedro de Alcântara, com o programa Uma Noite na Ópera. Participarão a Orquestra Sinfônica Mariuccia Iacovino, com Coro e Solistas Orquestrando a Vida, apresentando obras românticas de Rossini, Bizet, Puccini e Verdi.
O cinema também terá destaque no festival, com uma homenagem a Charles Chaplin na série Cinema Mudo com Piano ao Vivo, quando seus filmes « Em Busca do Ouro » e « O Circo » serão acompanhados ao vivo pelo pianista Paulo José Campos de Melo, merecedor de prêmios internacionais por este trabalho e com a exibição do documentário « Com Respeito aos Oito Baixos », dirigido pelo músico e pesquisador Léo Rugero. O filme narra a trajetória da sanfona de oito baixos na música nordestina, contando com o depoimento de sanfoneiros e pesquisadores como Zé Calixto, Luizinho Calixto, Geraldo Correia, Anselmo Alves e Lêda Dias. Após a exibição, haverá um debate com o diretor Léo Rugero. Essa programação acontece no Cine Teatro do Museu Imperial, às 15h.
Já o Centro de Cultura Raul de Leoni receberá a “Mostra de Curtas” realizadas durante o festival, por deficientes visuais.
Continuam presentes na programação os tradicionais Concertos  à Luz de Velas e Concertos ao Meio-Dia, grandes séries que provocam sempre grandes expectativas em todas as edições. No Museu Imperial,  destaque para o trio composto pela harpista do Theatro Municipal do Rio de janeiro, Cristina Braga, acompanhada pelo violino de Ricardo Amado e pelo violoncelo de Ricardo Medeiros (sábado, dia 19, às 18h), o quarteto A Priori, com Marco Catto e Priscila Rato ao violino, Karolin Broosch na viola e Pablo de Sá no violoncelo (sexta, dia 25, às 18h) e a homenagem aos 150 anos de nascimento de Richard Strauss, desta vez com a deslumbrante soprano Angélica de La Riva e a pianista Kátia Ballousier (sábado, dia 26, às 18).  Vale ressaltar os « Concertos Franceses » e os« Concertos Românticos » com os jovens pianistas Patrick Rodrigues, André Kacowicz, Silas, Barbosa, João Elias, Patricia Glatz e Ligia Moreno.
Na programação imperdível, destacam-se ainda  a noite argentina com o grupo Harmonitango, composto por José Staneck na harmônica, Ricardo Santoro no violoncelo e Sheila Zagury no piano. Irão interpretar os clássicos de Astor Piazzolla (sábado, dia 19, às 20h30m).
Na agenda do 14º. Festival de Inverno da Dell’Arte, o «Festival vai à Praça» (domingo dia 20, às 11h), com apresentação artística de alunos das escolas municipais, na Praça da Liberdade; o Chá Musical, com o Trio Amici (quinta-feira, dia 24, às 17h, no Solar do Império); as «Oficinas de Circo e Pintura», com omágico Nathan (domingo, dias 20, entre 13h e 15h, na Praça da Liberdade); e, a pedidos, devido ao enorme sucesso no ano passado, « Uma Tarde Francesa – O Realejo das Ruas de Paris » com o chansonnier Pascal Maurice (terça, dia 22, no Solar do Império).
Destacam-se também as Oficinas de Stop Motion e de Som Reciclado no Palácio de Cristal (sábados, dia 19 e 26 e domingo, dia 27, entre 10h e 13h), e a abertura do Espaço de Artes Miguel Salles para shows ao vivo, com o Mariano Trio, em Itaipava (quarta, dia 23, às 21h).
E, como não poderia faltar, a Série Cristal Jazz, que neste ano promove o retorno do Duo Fênix, responsável por uma renovação da linguagem musical. O Duo Fênix foi formado pelos pianistas Delia Fisher e Cláudio Dauelsberg no final da década de 80, atuando no cenário artístico de 1986 a 1991. Em pouco tempo formou um público consistente, e foi fator determinante na carreira dos dois músicos, impulsionando-os à alta qualidade, característica de ambos (quinta, dia 24, às 20h), além da atração internacional New Tide Orquesta. O grupo sueco é uma miscelânea da moderna música de câmara que explora minimalismo, barroco, improvisação livre com influências de John Cage e Phillip Glass com um toque de tango e uma intensa dinâmica (sexta, dia 25, às 20h).
Para fechar a programação, o Palácio de Cristal receberá duas grandes produções: a apresentação da ópera em versão pocket “La Bohème”, de Puccini, quando suas principais cenas serão interpretadas pelas sopranos Marianna Lima e Michele Menezes, o tenor Ivan Jorgensen e o barítono Ciro d’Araújo, com orquestração do pianista Mateus Araújo e direção de cena do consagrado Lauro Gomes e também com a “A Festa dos Oito Baixos”, com o já consagrado Zé Calixto, o “Rei dos Oito Baixos” e o grupo Rio Araripe, que mescla com vários tipos de acordeões, como as sanfonas de 80 e 120 baixos, resultando numa sonoridade musical diversificada e dançante. 
O Festival de Inverno da Dell’Arte tornou-se uma tradição em Petrópolis, com repercussão no Brasil e na América do Sul. Além de mobilizar a população local e das redondezas, gera um grande movimento de turistas que normalmente lotam hotéis, pousadas e restaurantes durante todo seu período.
Os ingressos têm preços populares, mas a maioria dos espetáculos têm entrada franca mediante a doação de um quilo de alimento não-perecível. Os bilhetes podem ser adquiridos nos locais dos eventos e boa parte deles é destinada aos jovens, proporcionando a este acesso às variadas formas de manifestação das artes.

SERVIÇO
 14 º Festival de Inverno de Petrópolis/Dell’Arte – 18 a 27 de julho de 2014
Mais informações: www.fipet.net.br
PROGRAMAÇÃO SUJEITA À ALTERAÇÃO.

Fonte: Assessoria

ESPETÁCULO MUSICAL TOTTA VELLA ESTREIA NO THEATRO D.PEDRO


O Coletivo Teatral Komos estreia no dia 02 de Agosto o espetáculo musical “Totta Vella – o autor das cordas” no Theatro D. Pedro às 20h30 em Petrópolis. O espetáculo conta a história de um corsário espanhol que perde seu pai no mar, nessa sua jornada, se encanta por uma utópica sereia e passa a basear sua vida em função dela. A sereia incita a criação de nós em cordas para captura-la e promete a devolução de seu pai. Com a ajuda de uma tripulação de marujos, e um alquimista, Totta Vella promete conflitos homéricos, muita magia e mistério, com um final surpreendente. O espetáculo musical é enriquecido com a revisão do texto de Thiago Freire por Álvaro Tavares, a produção da Castello Branco Produções Artísticas e a Direção de Thiago Freire e Mary de Paula. No elenco principal: Raul Baldi, Tiago Castello Branco, Gabriel Bittencourt, Danielle Purana, Flávia Nascimento e grande elenco contando com 25 atores, bailarinos e músicos. A cenografia é assinada pelo artista plástico Cocco Barçante e a Direção Musical de Bernardo Grazinolli. Classificação: 14 anos. O espetáculo terá apresentações iniciais nos dias 02 e 03 de agosto.


“AUTORES E LEITORES” NA CASA DE CULTURA COCCO BARÇANTE


No dia 26 de julho, às 15, a escritora e produtora cultural Ivone Sol estreará seu projeto “Autores e Leitores” na Casa de Cultura Cocco Barçante. O evento que compõe o quadro de atividades ligadas ao projeto “As Sete Artes na CASA”, do artista plástico e designer Cocco Barçante, é mais uma parceria da autora com a Casa de Cultura, onde já assina o sarau “Noite enSOLarada”, e resultado do trabalho conjunto com Cocco e o escritor Almir Tosta (foto). 
Para estrear o Projeto, Ivone Sol convidou o também baiano residente em Petrópolis, o escritor Antônio Torres, recém-empossado como membro da Academia Brasileira de Letras. Além de estar entre os grandes nomes da Literatura brasileira, o romancista já foi publicado em 14 países, e coleciona prêmios nacionais e internacionais. Ele foi condecorado pelo governo francês como Chevalier des Arts et des Lettres, pelos seus livros traduzidos na França. O premiado livro Essa Terra já está em sua 26ª edição. Bom de prosa e exímio conhecedor, Torres faz Palestra em todas as Regiões do país.
No segundo dia, domingo (27), no mesmo horário, será a vez da escritora e editora baiana, Miriam Sales (foto). Autora de livros de contos, crônicas, memorialistas, e um romance, Miriam é membro da Academia de Cultura da Bahia, e da REBRA – Rede de Escritoras Brasileiras. Constantemente faz palestras em Feiras Literárias em vários estados do Brasil, e recentemente participou como convidada do Salão Internacional de Turim, na Itália, um dos maiores eventos de literatura da Europa.
Em ambos os dias os autores participarão de um bate papo interativo, mediado por Ivone Sol, que pretende envolver o público nas questões abordadas. A cantora Juliana Brasil fará uma participação musical no evento de sábado, e no domingo tem esquete teatral com o Coletivo Teatral Komos. No final de cada evento o público irá saborear deliciosos biscoitos oferecidos pelo Empório Bürger - Arte & Gastronomia, de Fátima Mendonça.

SERVIÇO
Projeto “Autores e Leitores”
Endereço: Rua Coronel Veiga, 1734, Ponte Fones, Petrópolis - RJ
Contatos. 24 31114944 / 24 981684956



quarta-feira, 9 de julho de 2014

APRENDA HISTÓRIA DA ARTE ATRAVÉS DE JOGOS NO LANÇAMENTO “ENIGMAS DA ARTE”


Coquetel lança livro com conteúdo e passatempos divertidos e didáticos sobre os períodos da história da arte

Já imaginou saber mais sobre a história da arte e adquirir mais cultura através de jogos lúdicos e divertidos? O selo Coquetel traz para o Brasil um lançamento inovador “Enigmas da arte”, de Vicent Péghari. A obra apresenta, através de conteúdo e passatempos, 5 mil anos de história da arte, mostrando os principais feitos e curiosidades dos principais artistas e momentos da humanidade. O livro abrange 90 jogos lúdicos, entre eles sudokus, jogos dos erros, problemas de lógica, labirintos e outros.
Além dos passatempos, o livro traz ainda novidades e comentários inseridos em pequenos boxes, onde o leitor pode descobrir, por exemplo, que o famoso artista Vicent Van Gogh pintou aproximadamente 40 auto-retratos, pois considerava um modo fácil de treinar e aperfeiçoar a sua técnica.
O livro
Divididos em três capítulos, “Antiguidade”, a “Idade Média e o Renascimento” e as “Idades Moderna e Contemporânea”, o autor de “Enigmas da arte”recheia o passatempo com histórias sobre cada período histórico. O livro é colorido, divertido, didático e com excelentes ilustrações, que levarão o leitor a uma viagem lúdica desde a Antiguidade clássica aos tempos atuais. Além disso, os desafios ajudam a melhorar o raciocínio e estimular o cérebro.

Os jogos
Em “Enigmas da arte”, é possível jogar sudoku com a escrita cuneiforme que surgiu na Baixa Mesopotâmia por volta de 3.300-3.200 a.C, no capítulo da “Antiguidade”. Obras da pintura medieval e renascentista servem de pano de fundo para jogo dos erros.
Outro enigma que vai trabalhar a memória, pode ser encontrado na página 43, no período “A Idade Média e o Renascimento”. O passatempo consiste em escrever o nome de cada rainha sob seu retrato. Será que o público vai reconhecer Ana da Bretanha, rainha da França? E a Maria de Borgonha, duquesa e esposa do futuro Imperador Maximiliano I de Habsburgo? Se o leitor não reconhecer, será um jogo ótimo para aprender.

O diferencial
Para quem gosta de arte, história, enigmas, o livro será um “prato cheio”, pois vem repleto de imagens e histórias. Exemplo disso, é a belíssima ilustração (conforme pode ser observada abaixo) da obra de Salvador Dali, “Cisnes refletindo elefantes”, de 1937, na página 86. Diversas publicações trazem a cada imagem uma curiosidade ou explicação. Neste caso que é encontrado no capítulo “As Idades Moderna e Contemporânea”, o autor comenta que Dali gostava de brincar com ilusões. Ele mostra que três cisnes estão sobre um lago e o reflexo de sua imagem na água remete a de elefantes. As cabeças são os reflexos dos cisnes, os corpos e as patas são a imagem dos troncos das árvores.

A publicação é uma ótima ideia para uma diversão garantida nas férias.