No próximo domingo (dia 14 de novembro de 2010) as 18hs, o Teatro Dom Pedro estará recebendo os alunos do Espaço Cultural ARTE NA AVENIDA no espetáculo URBANOS, organizada pelo professor e coreógrafo Tiago Farinha.
O bailarino Tiago Farinha é professor e coreógrafo profissional registrado pelo Estado do Rio de Janeiro e já atua na área de danças urbanas há mais de 9 anos com shows e espetáculos no Brasil e na Europa. Participou de diversos programas de TV e, atualmente, dá aula no Espaço Cultural ARTE NA AVENIDA todas as 2ª e 4ª feiras das 18 às 19h30 (para crianças adultos e adolescentes) em horários diferentes.
O Street é uma dança eminentemente negra, de origem americana, cuja difusão se deu primeiramente nas ruas de cidades grandes, onde, atualmente, estão situados os maiores focos do RAP (Rythm And Poetry), gênero de música bastante conhecido atualmente. As primeiras manifestações surgiram na época da grande crise econômica dos EUA, em 1929, quando os músicos e dançarinos que trabalhavam nos cabarés ficaram desempregados e foram para as ruas fazer seus shows.No decorrer da sua difusão, houve a criação de diversos estilos da dança, como o Break, o Hip Hop, o Funk, o Soul e outros mais. Cada um possui características específicas, como ritmo e passos específicos.Em 1967, o cantor James Brown lançou essa dança através do Funk. O Break, uma das vertentes do Street Dance, explodiu nos EUA em 1981 e se expandiu mundialmente, sendo que, no Brasil, devido à sua cultura, os dançarinos incorporaram novos elementos de dança.
O Street Dance, apesar de denominação genérica, no Brasil abrange a todos os estilos sem distinção. Houve uma mistura em tal grau que a intenção das coreografias passou a ditar o estilo da dança. Além da dança, o Street Dance promove aos interessados a possibilidade de interação. A criação de grupos é o primeiro passo para a divulgação, pois trabalha o lado social da dança; tanto no que se refere à atingir um determinado público, como também cria um sentimento de amizade interno. Hoje sua repercussão mundial,
Ao pé da letra, “Street Dance” é dança de rua mas, não precisa ser feita necessariamente no asfalto. A primeira vez que isso aconteceu foi em 1929, quando houve uma supercrise econômica nos EUA. Ninguém tinha grana pra nada, muito menos prá se divertir, com isso, os músicos e dançarinos que trabalhavam nos cabarés ficaram desempregados. Foram para as ruas fazer uns shows a fim de descolar uns trocos.
Foi então, que da mistura do Ragtime, Jazz e outros ritmos negros, surgiram os tap dancers (sapateadores), os primeiros dançarinos de rua. É claro que o que era feito nessa época é completamente diferente do que existe hoje.
Mas foi um início. Mais parecido com o que existe hoje, foi o movimento que surgiu em 1967, quando James Brown criou e formalizou a Funk music. Assim com o som de Brown, a dança foi buscar no Jazz, no Rock’n Roll, nos passos dos dançarinos de baile, uma linguagem que acompanhasse o balanço da sua música.
O Break, uma das vertentes do Street Dance, surgiu depois do Funk. Usa uma linguagem semelhante à da mímica, movimentos de acrobacia, ginástica olímpica, sempre aproveitando bem o corpo e o chão. Hoje, o Break continua parecido como no final dos anos 70. Este estilo ainda trabalhava os passos muito em cima dos malabarismos. E é muito legal, especialmente porque os B.Boys (abreviação de Break Boys, pessoas que praticam o Break) mantém a tradição do início da cultura Hip Hop, embora cada vez mais as manobras estejam se complicando. Quem ficou curioso e quiser ver o espetáculo do profº Tiago Farinha poderá comprar os ingressos antecipados por R$ 10,00 com o próprio professor pelo telefone 9212-0626 .

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.