Instituição recebeu diplomação do Programa Memória do Mundo, da Unesco, na Ilha Fiscal
O trabalho do Arquivo Histórico do Museu Imperial recebeu um importante reconhecimento na última quarta-feira, dia 1º de dezembro: a diplomação do Registro Nacional do Comitê do Programa Memória do Mundo, concedida pela Unesco. A premiação, que ocorreu na Ilha Fiscal, no Rio de Janeiro, diz respeito ao Conjunto documental referente às viagens do imperador d. Pedro II pelo Brasil e pelo mundo.
O conjunto reúne diários pessoais, desenhos feitos pelo próprio imperador, cadernetas, correspondências, registros de visitas, relatórios de despesas, jornais, homenagens, convites e outros documentos que reconstituem as viagens de d. Pedro II pelo país e por quatro continentes. Os cerca de 870 documentos serão complementados por outros, a partir de pesquisas da equipe do Arquivo Histórico, para formar um novo dossiê que concorrerá ao título internacional, em 2012.
Na cerimônia, oito conjuntos documentais receberam a diplomação. O presidente do Comitê Nacional do Programa Memória do Mundo, vice-almirante Armando de Senna Bittencourt, destacou que é fundamental conservar o patrimônio nacional e mundial. “O programa surgiu para preservar o patrimônio documental, que estava se deteriorando, e conscientizar a sociedade para sua importância”, afirmou.
O vice-almirante explicou ainda os critérios para que um conjunto documental receba a titulação: autenticidade; unidade e singularidade, ou seja, algo cujo desaparecimento seria uma perda para a humanidade; importância histórica; organicidade do conjunto, que deve vir de um único fundo; acessibilidade ao público, respeitando os limites para a conservação; e integridade.
O coordenador de Comunicação e Informação da Unesco no Brasil, Sr. Guilherme Canela Godoi, ressaltou que o programa contribui para divulgar a importância do patrimônio documental. “Para as Nações Unidas, tão relevante quanto proteger prédios e edifícios históricos é proteger os documentos e as imagens”, declarou. “Vemos com muito entusiasmo a forma como o Comitê Nacional vem levando adiante esse reconhecimento de documentos tão relevantes para nossa história. Os objetivos do programa são exatamente preservar o patrimônio, garantir acesso a ele, incentivando seu caráter educativo, e aumentar a consciência mundial para a importância da preservação”.
O diretor do Museu Imperial, Maurício Vicente Ferreira Jr., recebeu a diplomação junto com a coordenadora do Arquivo Histórico, Neibe Cristina Machado da Costa, e dois membros de sua equipe, a historiadora Alessandra Bettencourt Figueiredo Fraguas e a arquivista Thais Cardoso Martins. Ele destacou que, além do trabalho da equipe, o prêmio reconhece o legado de d. Pedro II, um incentivador da cultura, da ciência e da educação. “A homenagem ocorre na véspera do aniversário do imperador, que amanhã, dia 2 de dezembro, comemoraria 185 anos. Que essa diplomação reitere o legado do brasileiro mais ilustre, para quem a educação era entendida como uma ferramenta de redenção nacional”, lembrou.
Também participaram da cerimônia o comandante da Marinha, Júlio Soares, o secretário-geral da Marinha, João Afonso de Farias, e o diretor-geral do Arquivo Nacional, Jaime Antunes.

Conjuntos premiados
Ao todo, oito conjuntos receberam a diplomação na cerimônia:
- Conjunto documental referente às viagens do imperador d. Pedro II pelo Brasil e pelo mundo – Museu Imperial;
- Abrindo estradas no mar (1901 – 1975): levantamento cartográfico do litoral brasileiro – Departamento de Hidrografia e Navegação da Marinha;
- Fundação da Cinemateca brasileira: filmes, fotografias e textos – Arquivo Nacional;
- Arquivo Tamandaré: uma janela para o Estado Imperial Brasileiro – Departamento de Patrimônio Histórico e Documental da Marinha;
- Atlas Vingboos: mapas e cartas da costa atlântica da América do Sul no século XVII. Instituto Arqueológico, Histórico e Geográfico Pernambucano. IHGP – Recife;
- Viagem Filosófica: expedição científica de Alexandre Rodrigues Ferreira nas capitânias do Grão-Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá (1783-1792) – Museu Nacional/Fundação Biblioteca Nacional;
- Fundo Secretaria de Governo da Capitania: Período Colonial Brasileiro (1649-1823) – Arquivo Público do Estado do Pará;
- Registros de Entrada de Passageiros na Bahia (1855-1964) – Arquivo Público do Estado da Bahia.
Sobre o Programa
O Programa Memória do Mundo, criado pela Unesco em 1992, reconhece patrimônios documentais de significância internacional, regional e nacional; mantém o seu registro e lhes confere um certificado, que os identifica.
O Programa facilita também a preservação e o acesso, sem discriminação, a este patrimônio e trabalha para despertar a consciência coletiva sobre a sua importância, visando aumentar a responsabilidade quanto ao patrimônio documental, alertando governos, público em geral, setores industriais e comerciais da necessidade de preservação e de arrecadar recursos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.