Essencialmente democrático na sua concepção, o Futebol chegou ao Brasil praticamente junto com a República, em fins do século XIX. Considera-se a data oficial o ano de 1894, trazido por Charles Miller, durante o governo de Prudente de Moraes. Mas foi Rodrigues Alves o primeiro presidente a assistir a uma partida de futebol em um estádio, em 16 de julho de 1905, nas Laranjeiras, em um jogo entre Fluminense e o Clube Atlético Paulistano. A histórica relação entre o futebol e os presidentes do Brasil pode ser conferida na exposição A República do Futebol, em cartaz no Palácio Rio Negro, em Petrópolis, prorrogada até o dia 26 de julho.
Quem visita a exposição fica sabendo, por exemplo, que o primeiro amistoso entre equipes estrangeiras aconteceu em 31 de julho de 1906, entre a Seleção Paulista e a delegação Sul-Africana (South Africa F.C.), com a presença do presidente Afonso Pena. Entusiasmado com a partida, ele ofereceu a “Taça Brasil” ao vencedor do 1º Campeonato Brasileiro de Futebol, disputado pelas seleções paulista e carioca em 1907. Os paulistas ganharam, mas a taça nunca foi entregue.
“Escolhemos o Palácio Rio Negro para abrigar esta exposição pelo fato de ser o maior ícone da República Brasileira em Petrópolis”, diz Magaly Cabral, diretora do Palácio. A exposição marca também o início das obras para requalificação da infraestrutura elétrica do Palácio, da iluminação da fachada e da antiga casa de geradores, que abrigará uma central elétrica e de segurança. “O Palácio sofre com a degradação temporal de seus cento e vinte e cinco anos, principalmente quando se trata da infraestrutura elétrica. Com esta requalificação, contribuímos para a preservação deste importante patrimônio histórico e cultural de nosso país, restaurando-o e divulgando-o para que possa receber cada vez mais visitantes e desempenhar seu papel residência de verão da Presidência da República”, afirma o Administrador-Responsável do Palácio Rio Negro Aluysio Azevedo.
A exposição é uma das ações de divulgação do projeto de Requalificação da Infraestrutura Elétrica do Palácio Rio Negro, que conta com o patrocínio da Petrobras. A realização é do Museu da República, Ministério da Cultura (MinC), Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e do Instituto Cultural Cidade Viva.
Sobre o Palácio Rio Negro: Além de um museu dedicado à República em terras imperiais, o Palácio é também a residência oficial de verão dos Presidentes da República.Construído em 1889 pelo Barão do Rio Negro, próspero comerciante de café do Estado do Rio de Janeiro que em 1894 rumou a Paris, o Palácio serviu de residência oficial do governo de Floriano Peixoto entre 1896 e 1903, quando o governo fluminense transferiu temporariamente sua capital para Petrópolis, evitando as constantes conturbações da Revolta da Armada, na capital da província do Rio de Janeiro.
A partir de 1903 o Palácio Rio Negro passou a pertencer ao Governo Federal, sendo transformado em residência de verão oficial dos Presidentes da República.Desde então, recebeu Rodrigues Alves, Afonso Pena, Nilo Peçanha, Hermes da Fonseca, Wenceslau Braz, Epitácio Pessoa, Artur Bernardes, Washington Luiz e Getúlio Vargas,este último considerado o mais assíduo, lá estando em todos os verões durante os dezoito anos em que governou o país. Também passaram pelo Palácio Café Filho, Eurico Gaspar Dutra, Juscelino Kubitscheck, João Goulart e Arthur da Costa e Silva.
A presença republicana na cidade de Petrópolis manteve-se viva até a fundação de Brasília. Entre as décadas de 70 e 80, o Palácio não recebeu nenhum presidente. Seu uso foi retomado no governo de Fernando Henrique Cardoso, para breves férias na década de 90. Luiz Inácio Lula da Silva hospedou-se por lá em setembro de 2008.

SERVIÇO:
Exposição A República do Futebol
Data: 17 de junho a 26 de julho
Local: Palácio Rio Negro: Avenida Koeler, 255 - Centro - Petrópolis
Tels: 24-2246-2423 e 2246-2378.
Aberto de terça a sábado, de 10h às 17h. Fecha aos domingos e segundas.
Entrada Franca


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.