Quem aprecia ópera e também quem ainda não conhece o gênero, terá excelente oportunidade com a exibição da récita de “O Diletante”, no dia 02 de outubro, às 19h, no Theatro D. Pedro, com entrada franca. A direção é de André Cardoso, Marcelo Coutinho e José Henrique Moreira, com regência de Jean Molinari. Trata-se de uma parceria da Prefeitura de Petrópolis por meio da Fundação de Cultura e Turismo com a UFRJ, que todo ano viabiliza a exibição de um espetáculo de ópera na cidade. Nos anos anteriores foram exibidas na cidade “D. Quixote nas bodas de Comacho”, “Cosi fan tutte” e “Caso no Júri”, com grande sucesso.
O projeto Ópera na UFRJ está comemorando 20 anos de realização, desenvolvido pelas Escolas de Música, Belas Artes e Comunicação. Tem sido um dos mais antigos e bem sucedidos projetos de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidos na Universidade. Com produção de José Mauro Albino e André Garcez, a montagem atual de “O Diletante”, de Martins Pena, é inédita, baseada em um clássico do teatro de comédia brasileiro, com libreto e música encomendados a João Guilherme Ripper - docente da UFRJ e compositor brasileiro contemporâneo com várias obras no gênero. Para os petropolitanos será também uma chance de ver uma orquestra no fosso do Theatro D. Pedro, o que só ocorre quando é apresentado algum espetáculo operístico.
A nova criação de Riper faz uma homenagem bem-humorada ao mundo e aos amantes da ópera. Mantendo a estrutura e o espírito do texto de Martins Pena, o autor adaptou a peça para a Copacabana dos anos 50. O cenário é a sala do apartamento de Quintino, rico comerciante italiano, que alimenta uma paixão desmedida por La Traviatta, de Verdi. Seu maior desejo é fazer com que toda sua família compartilhe de sua paixão pela música italiana, solicitando o tempo inteiro a sua filha, Josefina, e a sua esposa, Merenciana, cantarem trechos da obra com ele. Entre os pretendentes de sua filha procura um tenor para completar o elenco. É tão intenso seu estado delirante que as cenas do cotidiano de sua família sempre lhe remetem à ópera.
João Guilherme Ripper é o compositor brasileiro contemporâneo que mais vem se dedicando ao gênero operístico, com obras como Domitila, Anjo Negro, Piedade e Onheama. Ópera na UFRJ foi criado em 1994 e, desde então, já produziu 17 montagens envolvendo docentes, discentes e técnico-administrativos da universidade.

A adaptação de “O Diletante” conta com estreia mundial na Sala Leopoldo Miguez, na Escola de Música da UFRJ, no Rio de Janeiro, com quatro récitas. Além de Petrópolis, será exibida também no Teatro Municipal de Niterói, no Auditório Horta Barbosa do Centro de Tecnologia da UFRJ e no Teatro Municipal de Macaé.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.