Felipe Candiota lança hoje seu primeiro romance, “Mulher é tudo ...”, a partir das 17h, na Livraria Nobel da 16 de Março.  O livro descreve um reencontro, numa chopada no Bar Jobi, no Leblon, entre 3 amigos que não se encontram há mais de 10 anos. O protagonista relata suas últimas experiências sexuais tentando proteger sua real paixão. Um papo escancarado e sem limites entre antigos amigos. Uma conversa fácil pros homens se divertirem e pras mulheres tentarem entender como vemos, pensamos ou idealizamos, de maneira diferente, os mesmos momentos de intimidade. Uma história de como ele perde seu verdadeiro amor se utilizando de todas as suas armas de sedução na tentativa de substituí-lo. “Espero estar abrindo um novo caminho profissional na minha vida, mais um”, diz o autor.

O autor
Felipe Candiota nasceu, por acaso, em Boston (EUA), mas é realmente um carioca da Zona Sul desde que, ainda menino, começou a frequentar o Posto 9, na praia de Ipanema. Ele foi, ocasionalmente, expatriado para São Paulo, New York City ou Petrópolis, mas sempre retornou, o mais rápido possível, a Ipanema ou ao Leblon. Pai de três cariocas, ele escreveu profissionalmente artigos jornalísticos sobre hotéis e, em 2011, lançou mundialmente seu livro “Brazil Hotels”. Entretanto, anos antes, ele começou a estudar a arte da escrita de ficção e iniciou seu primeiro romance, agora nas suas mãos.

Orelha 
O lugar é impagável - o Leblon carioca. O tempo pouco importa afinal esse é um texto que vale para qualquer tempo. O leitor consegue sentir entre os dedos as tulipas geladíssimas daquele chope maravilhoso. Uma bebida ainda mais especial por causa da roda de amigos tão insubstituíveis.
O protagonista precisa desabafar com seus cúmplices suas últimas passagens amorosas. Mas por quê? Simplesmente porque vive atormentado entre dois extremos. De um lado, a luxúria que o magnetiza e ao mesmo tempo o obriga a escapulir. De outro lado, seu amor idealizado - aquilo que sonhou por tanto tempo, quem sabe movido por tantos desamores antes vividos.
Ele ainda precisaria mergulhar fundo nas paixões de pele usando suas amantes (e sendo usado também). Aqui seus auto-enganos são claros. Age parecendo ser motivado pela busca desesperada por um amor que às vezes tanto deseja e, às vezes, tenta à toa fugir.
Na sua firme visão, ele percebe que muitas mulheres são descaradamente interesseiras e desalmadas - materialmente falando. O que elas querem, no fundo, são as luzes dos holofotes, patrocinados por seus machos de ocasião! Outras, piores ainda, são aquelas que torturam as almas masculinas com seus fatais venenos sensuais. Essas (perigosas ao limite) apaixonam-se e se fazem idolatrar, para num momento qualquer destruir o amor que "havia". Então, que tipo de mulheres são essas? Agora a palavra está com as mulheres.
(Mauro Trexler Mourão)

Contracapa
“Bom, enquanto aqueles papos chatos rolavam, ganhei tempo para pensar em como evitar de ter que falar da minha paixão pela Giselle, mas o Luiz não me deixou escapar e puxou o assunto assim:
— Agora vamos ao que interessa. Vamos separar os homens dos meninos. A Giselle é o que importa na história dele.
— Isso mesmo, Luiz. Vou ficar aqui quieto e escutando essa história pra entender que porra de amor é esse por ela que finalmente fez esse maluco entender que é tudo puta – reforçou o Juca.
— Essa merda eu já acompanho faz anos, e ele é louco por ela mesmo – emendou o Matias, me deixando mais exposto ainda.
 — Calma, queridos, deixa ele contar na paz que ela ainda perturba a cabeça dele e eu gosto de saber dos detalhes. Primeiro quero saber onde você encontrou e como acabou ficando com a Giselle – lá veio o Marcos com a sua objetividade curiosa.”

Serviço
“Mulher é tudo ...”
Lançamento do romance de Felipe Candiota
Data: nesta sexta-feira
Horário: A partir das 17h
Local: Rua 16 de Março 339, Centro


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.